venerdì 22 aprile 2011

Lembrei-me de texto que escrevi sobre o esperanto

25 de novembro de 2.006

Esperanto: que é isso?

    De vez em quando, se não muitas vezes, ouve-se, ao falar-se sobre esperanto, o seguinte: «Pensei que fosse uma língua morta.», «Nunca ouvi falar sobre isso.», «Mas afinal de contas, alguém fala isso ainda?». Então temos que esclarecer que se trata de um idioma vivo e com milhões de falantes em todo o mundo.

    O idioma esperanto, inicialmente denominado «lingvo internacia» (pronuncie-se «lingvo internatsía») (língua internacional) foi criado com o propósito de servir de meio de comunicação entre humanos que se comunicam por meio de idiomas naturais diversos. Além disso, há um ideal interno, digamos assim, que contém a idéia de fraternidade entre os homens: o uso de algo comum e neutro sem a imposição da cultura e idioma de um sobre o outro. Eis a chave da boa compreensão e respeito a outras pessoas. Além do que saber esperanto é ter acesso a culturas diversas que de outra maneira seriam difíceis de serem conhecidas por meio de português, no nosso caso.

    Pode-se argumentar o seguinte: mas para quê aprender esperanto se inglês já é uma espécie de idioma internacional? Bem, convenhamos que inglês é aparentemente universal e que se se alastrou muito se deveu a razões históricas: primeiramente supremacia de império britânico, que entrou tarde em partilha do mundo e já com vantagens devidas à Revolução Industrial que justamente iniciou-se em tal país; posteriormente à influência norte-americana sobre paises diversos. Eis as razões porque idioma inglês é bastante difundido e não por ter alguma vantagem excepcional sobre outros idiomas.

    Entretanto usar-se inglês não é estar em condição de igual para igual quando um dos falantes tem tal idioma como pátrio, enquanto outro não o tem, devendo aprendê-lo a duras penas, diga-se de passagem. Ou seja, há custos em termos de tempo e dinheiro. E muitas vezes só se aprende a balbuciá-lo.

    Agora vejamos quais são as vantagens de aprendizado de esperanto: neutralidade, facilidade maior de aprendizado por ser idioma regular (diga-se de passagem, que não se aprende idioma qualquer por «osmose» e sim por costume de uso), valor propedêutico. Aprender esperanto ajuda a melhor compreender-se idioma pátrio e até facilita aprendizado de outros.

    De longe o idioma esperanto é o mais bem sucedido e famoso dentre os idiomas planejados. Existiram e existem outros idiomas planejados. Entretanto nenhum deles pode concorrer com esperanto: há milhares de obras originais, em poesia e prosa; milhares de outras traduzidas para esperanto; há textos técnicos relativos a diversas ciências, técnicas, artes etc. Há uma vasta literatura à nossa disposição.

    O esperanto foi criado em 1.887 por Lázaro Luís Zamenhof, médico polonês nascido em Bialistok, cidade da atual Lituânia. Em tal cidade falavam-se diversas línguas e as incompreensões eram muitas. Ainda jovem, percebeu Zamenhof os problemas que isso causava entre os habitantes de sua cidade. Sendo poliglota, pois era bom conhecedor de latim, grego, francês, alemão, inglês, polonês etc, foi-lhe relativamente fácil conceber um idioma planejado. Relativamente, pois na verdade desenvolver um idioma planejado é um trabalho hercúleo para uma só pessoa.

    Já em 1.878 uma primeira versão aparece do idioma internacional neutro. Entretanto por motivos diversos não quis seu criador imediatamente divulgá-lo. Esperou-se até 1.887 para que se o fizesse. Inclusive existe um pré-esperanto, uma forma anterior ao esperanto «clássico», como é conhecido atualmente. Tratam-se de criações geniais do mestre Zamenhof.

    Conta-se, inclusive, que ele, para não se expor diretamente, adotou o pseudônimo «Doktoro Esperanto» (doutor Esperanto). Em esperanto, «esperanto» significa «aquele que espera», «aquele que tem esperança». E ele era um homem que tinha esperança num mundo melhor e fraterno. Ao publicar seus primeiros manuais, seu pseudônimo ficou associado à «lingvo internacia» e então foi adotado como nome do idioma.

    Basicamente o idioma possui dezesseis regras gramaticais. Por exemplo, todos os substantivos terminam em «o» e todos os adjetivos terminam em «a». Em «lingvo internacia», «lingvo» é substantivo e significa «língua» ou «idioma» e «internacia» é adjetivo, significando «internacional».

    Também é um idioma totalmente fonético. Há uma correspondência biunívoca (ou seja, um-para-um) entre sons e morfemas. Por exemplo, «s» sempre tem mesmo som onde quer que se encontre: «taso» (xícara) (pronuncie-se «tásso»), silabo (sílaba) (pronuncie-se «silábo»). Seu alfabeto é composto por vinte e oito letras, dentre as quais cinco são vogais, duas semi-vogais e o restante são consoantes. Ei-las: a b c ĉ d e f g ĝ h ĥ i j ĵ k l m n o p r s ŝ t u ŭ v z.

    Vocabulário de esperanto é predominantemente de origem latina. Aproximadamente sessenta por cento de raízes são latinas. Trinta por certo tem origem anglo-germânica e o restante é de origem eslava e outras. Por ser predominantemente latino, há muitas palavras similares e até iguais às de português.

    Outra coisa que facilita muito é a total regularidade de conjugação dos verbos. Na verdade, não há conjugação, só tempos e modos. Por exemplo, se eu quiser dizer «eu farei», eu digo «mi faros»; se quiser dizer «nós faremos», digo «ni faros». Ou seja, muda-se apenas sujeito, mas a forma temporal ou modal de verbo mantêm-se inalterada. Isso muito facilita as coisas, não é verdade?

    Mais uma coisa que torna tudo mais fácil é que todas as palavras com mais de uma sílaba são sempre paroxítonas, ou seja, acento tônico cai sempre em segunda sílaba de direita para esquerda. Por exemplo, acentos de «Luno» (Lua), «stelo» (estrela) e «Universo» (Universo) caem, respectivamente, em «lu», «te» e «ver». É mais uma facilidade para aprendiz de esperanto, que em esperanto é «komencanto» (aquele que começa) (pronuncie-se «komentsánto» sem nasalar o «a», já que no idioma internacional neutro não existem sons nasais).

    Pois bem. Depois de toda essa apresentação, pode-se perguntar o leitor: tudo bem, muito provavelmente é bem mais fácil aprender esperanto do que qualquer idioma natural; mas como poderei usá-lo na prática?

    Existem no Brasil dezenas e dezenas de associações esperantistas. Nelas promovem-se cursos, eventos, encontros etc. Pode-se por meio delas adquirir-se livros, revistas, discos de música etc. Existem também os congressos anuais e os universais. Por exemplo, o último congresso brasileiro de esperanto ocorreu em Campinas e o congresso universal de esperanto de 2.002 sucedeu-se em Fortaleza. Ali reuniram-se muitas pessoas das mais diversas terras, todos comunicando-se por meio de um idioma simples, regular, de aprendizado certamente mais fácil e neutro.

    Existem muitas revistas com periodicidade variada. Por exemplo, há a «Brazila Esperantisto», da Liga Brasileira de Esperanto. Há revistas para iniciantes como «Kontakto» e «Juna Amiko», editadas no exterior. E outras tantas.

    No Brasil o movimento esperantista é forte devido à adoção, por parte dos espíritas, do esperanto como idioma de trabalho. Isso em nada denigre o idioma. É muito louvável tal adoção. Outros movimentos religiosos adotam o esperanto como língua de trabalho, como por exemplo a Igreja Católica que tem transmissões em esperanto pela Rádio Vaticano e toda a liturgia de missa católica traduzida para o esperanto. É também um dos idiomas falados pelo Papa em suas mensagens de Natal e Ano Novo. No Japão existe uma religião chamada Oomoto que também se utiliza do esperanto para divulgar seus ensinamentos por todo o mundo. Na verdade, o esperanto é de todos e é de ninguém! («Esperanto estas ĉies kaj nenies!»).

    Existem cantores e bandas de música que cantam e compões em esperanto. No Brasil há o grupo «Merlin», de Belo Horizonte, por exemplo. E há diversas bandas européias, como «Persone», «Kajto» etc.

    Até já se fez filme em esperanto, no Brasil. Trata-se de filme denominado «Gerda malaperis» (pronucie-se «Guêrda mal-apêris», sendo que «Gerda» é nome de mulher). Tal filme é baseado em pequeno romance de mesmo nome criado para instruir esperanto a iniciantes. Foi feito em 2.006 e bastante anunciado em último congresso de esperanto, ocorrido na Itália, precisamente em Florença.

    Material para leitura e aprendizado não falta. Pode-se comprar em associações esperantistas ou encomendar-se à Liga Brasileira de Esperanto materiais como livros, revistas, discos etc

    Pode-se obter também muito material gratuito via Internet. Use-se um buscador qualquer e procure-se por palavras ou frases como: «esperanto» ou «história do esperanto» ou «o que é o esperanto?». Veja-se então a quantidade de páginas existentes. É material para toda a vida. Se você quiser saber sobre cursos de esperanto na Internet basta procurar por «curso de esperanto». Existem vários cursos de esperanto no Brasil, via Internet.



    Existem também bate-papos, por texto e voz, que permitem que se exercite o que foi estudado. Pode-se fazer isso por bate-papo de Startu.net, que é um dos melhores portais existentes totalmente em esperanto. Também se pode usar programas como MSN Messenger, Skype e Paltalk para conversas faladas e escritas.

    Enfim, há muitas possibilidades, para todos os gostos e estilos. Basta procurar. Material é que não falta!

    Aqui em nossa cidade, no bairro Cajuru, na Rua Miguel Caluf, nº 397 existe a «Casa do Esperanto de Curitiba», uma iniciativa particular e gratuita de divulgação do idioma, onde há reunião e aulas todos os sábados a partir das 15:00. Todos serão bem-vindos. Procure e faça bom proveito!

    Ĝis revido! [Djis revido!] (Até à vista!)

    Curitiba, 17 de dezembro de 2.006

    Alberto Cavassin Wójcik

     ¤

    Para finalizar, damos a seguir alguns endereços tanto convencionais como eletrônicos para que você leitor possa entrar no mundo do esperanto e ser um cidadão do mundo.

    Faça bom proveito!


    Editora Fonto
    Caixa postal 49
    C.E.P. 89.801-970
    Chapecó - SC
    fonto@redamp.com.br


    Liga Brasileira de Esperanto
    http://www.esperanto.org.br
    http://libroservo.esperanto.org.br
    bel-libroservo@esperanto.org.br
    Edifício Venâncio III, Salas 301 a 303, Setor de Diversões Sul CONIC, Brasília (DF)
    Caixa postal 03625 - CEP 70.084-970 - Brasília - DF
    Telefones: (61) 3226-1298
    Fax: (61) 3226-4446


    Paranaa Esperanto-Asocio [Associação Paranaense de Esperanto]
    Rua XV de Novembro, 556 (Galeria Lustosa)
    10º andar - Sala 1.001 - Curitiba - Paraná


    Endereços de páginas multilíngües na Internet:
    http://www.esperanto.org
    http://www.esperanto.net

1 commento:

  1. Alberto, adorei teu texto! :) De fato, o esperanto é uma lingua e tanto. Através dela fiz muitos amigos e viagens os quais pretendo ampliar; será fácil, a internet ajuda nisso. Meus sites preferidos são

    http://www.ipernity.com/home/hipernytha

    http://eo.chatonic.com/room/esperanto_internacia/

    Prá consultar o dicionário, uso o http://pt.lernu.net/

    Ĝis revido!
    Kisojn,
    Alcione

    RispondiElimina